top of page

A Conexão Surpreendente Entre Óleos de Sementes e Inflamação

Atualizado: 14 de fev.




É incrível como algumas trocas simples em nossas escolhas culinárias podem fazer uma grande diferença em como nos sentimos por dentro e por fora. Mas, embora algumas trocas saudáveis sejam mais óbvias do que outras, sempre há aquelas que geralmente passam por nós e parecem inevitáveis. Estou falando de óleos de semente. Você provavelmente está se perguntando: “Vanessa, como os óleos de sementes podem ser prejudiciais se eles vêm de plantas?” Vamos detalhar.


O que são óleos de semente?


Como o nome sugere, os óleos de sementes são os óleos extraídos das sementes de várias plantas. Alguns dos óleos de sementes mais utilizados são canola, girassol, cártamo, semente de uva, semente de algodão, soja, gergelim e milho. Os óleos de sementes se tornaram um alimento básico nas dietas modernas, já que os encontramos escondidos em todos os tipos de alimentos processados e produtos embalados, desde molhos para saladas até sobremesas compradas em lojas. Mas por que tantas empresas usam óleos de sementes se eles podem afetar negativamente nossa saúde?


Em suma, os óleos de sementes são acessíveis. Devido à prática agrícola, temos um excedente de milho, tornando o óleo de milho significativamente mais baixo em preço em comparação com uma garrafa de azeite de alta qualidade. Portanto, não é surpresa que grandes empresas de manufatura prefiram usar um óleo de semente como canola ou girassol para cortar custos e aumentar os lucros. Infelizmente, nossa saúde não é a prioridade deles. Então, cabe a nós tomar o assunto em nossas próprias mãos.


A proporção de ômega-6 para ômega-3


Para entender melhor como os óleos de sementes afetam nossa saúde, precisamos falar sobre dois ácidos graxos essenciais, ômega-6 e ômega-3. Nós chamamos esses ácidos graxos de “essenciais” porque nossos corpos não podem fazê-los. Então, eles devem ser obtidos através da nossa dieta.


Agora, sem ficar muito científico, a diferença entre os ácidos graxos ômega-6 e ômega-3 está na localização das ligações duplas ao longo de sua cadeia de carbono. No entanto, o que é importante saber é que essa mudança sutil de posição tem implicações significativas para a nossa saúde.


Precisamos de ômega-6s e ômega-3s. Ambos são vitais para processos corporais normais, função celular e saúde geral. Ainda assim, pesquisas mostram que uma proporção menor de ácidos graxos ômega-6 para ômega-3 é favorável para reduzir o risco de muitas doenças crônicas, como síndrome metabólica e doenças inflamatórias. Embora a proporção ideal seja em torno de 1/1, as dietas ocidentais geralmente têm uma proporção incompreensível de 20/1. Mas o que isso tem a ver com óleos de sementes?


Os óleos de sementes são geralmente ricos em ácidos graxos ômega-6. Portanto, a prevalência de óleos de sementes em praticamente todos os alimentos processados contribuiu significativamente para a proporção desequilibrada de ácidos graxos ômega-6 para ômega-3 em nossas dietas, colocando-nos em maior risco de inflamação e outras complicações.


Os efeitos inflamatórios dos óleos de sementes

Eicosanoides


Eicosanóides são moléculas de sinalização que nossos corpos produzem conforme necessário. E existem muitos tipos de eicosanóides, todos com funções específicas, como imunidade, vaso sanguíneo ou saúde renal. Nossos corpos fazem eicosanóides a partir de ácidos graxos ômega-6 e ômega-3. E embora todos os eicosanóides tenham seu lugar durante os momentos críticos, os eicosanóides derivados de ômega-6 são pró-inflamatórios e os eicosanóides derivados de ômega-3 são anti-inflamatórios. Portanto, o consumo prolongado ou excessivo de óleos de sementes, que são ricos em ômega-6, promove inflamação crônica, levando a vários problemas de saúde.


Estresse oxidativo


Os óleos de sementes são ricos em gorduras poliinsaturadas, que são naturalmente mais suscetíveis à oxidação. Os óleos de sementes podem sofrer danos oxidativos quando expostos ao calor, luz e ar durante o cozimento, produzindo radicais livres. Esses radicais livres podem causar estresse oxidativo dentro do corpo, desencadeando inflamação e danos celulares.


O microbioma intestinal


Um intestino saudável é essencial para manter a função imunológica adequada e reduzir a inflamação, mas pesquisas sugerem que os óleos de sementes podem impactar negativamente a composição e a diversidade do nosso microbioma intestinal. Os óleos de sementes podem interromper nosso equilíbrio único de bactérias benéficas, fazendo com que nossa ligação intestinal enfraqueça. Essa mudança promove a inflamação e aumenta o risco de mais distúrbios gastrointestinais.


Alternativas Anti-Inflamatórias


Reduzir a inflamação apoia a saúde do coração, o envelhecimento saudável, a função imunológica e o bem-estar geral. Então, priorize essas alternativas anti-inflamatórias para promover um você mais saudável e feliz.


Ácidos Graxos Monoinsaturados


A alta ingestão e complementação de ácidos graxos monoinsaturados, ou MUFAs, tem sido associada a um menor risco de obesidade e síndrome metabólica, o que significa menor inflamação crônica e mortalidade. Os óleos ricos em MUFAs são o óleo de abacate para um sabor neutro e o azeite extra-virgem para embalar um ponche saboroso. Adicionar esses óleos às suas refeições é uma solução nutritiva para diminuir a inflamação.


Alimentos Ricos em ômega-3


Alimentos gordurosos como óleo de algas e nozes fornecem excelentes quantidades de ácidos graxos ômega-3, que são benéficos para manter a inflamação à distância. Eles contêm EPA e DHA, ácidos graxos essenciais que nossos corpos usam para produzir eicosanóides anti-inflamatórios. Eles também são importantes para promover a saúde ocular, a saúde do cérebro, a saúde do coração e muito mais. Considere tomar um suplemento de óleo de algas e um punhado de nozes diariamente para melhorar sua saúde naturalmente.


Assuma o controle total da sua saúde hoje.




2 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page