top of page

EXERCÍCIO E UMA MELHOR RECUPERAÇÃO DO CÂNCER

Atualizado: 14 de fev.



FAZENDO DO EXERCÍCIO UMA PRIORIDADE


Se você me perguntar sobre minhas principais pérolas de sabedoria para otimizar a recuperação do câncer, darei um conselho certeiro, mova seu corpo. Para muitos pacientes, o exercício é a chave para uma recuperação mais rápida e tranquila.


Vejo o exercício como uma super ferramenta. Durante e após o tratamento, foi comprovado que ajuda os pacientes a reduzir os sintomas de náusea, neuropatia periférica, fadiga, sono insatisfatório e mau humor. A longo prazo, entende-se que o exercício reduz o risco de recorrência do câncer. Se você puder implementar um plano de exercícios sólido e apoiado, muitos dos outros “obstáculos” do câncer se tornarão muito mais fáceis de superar.


Transparência completa. Se pudesse retroceder e mudar apenas uma coisa na minha recuperação do câncer, seria me concentrar mais nos exercícios .


Embora não possa voltar as páginas da minha história, espero que ao compartilhar minhas lições, sua experiência seja um pouco mais fácil .


Antes do meu diagnóstico, eu estava relativamente em boa forma. Eu frequentava uma academia tinha uma Personal Trainers que me ajudava 3 vezes na semana.


Durante minha recuperação, tive muita apreensão em relação aos exercícios. Embora estivesse grata ao meu corpo por me alertar sobre o câncer, estava começando a perder a confiança nas minhas capacidades físicas.


Eu estava vivendo dias de náusea, cansaço, falta de energia, insônia, mucosite agressiva. O mínimo de saídas ou pequenas compras no mercado e consultas médicas regulares já haviam absorvido toda a energia que eu tinha disponível. Não sobrava… NADA.


Como se não bastasse, também fiquei preocupada em perder mais peso. Eu já havia perdido muito peso e estava começando a ficar esquelética. Eu sabia que não poderia me dar ao luxo de perder mais. Outro medo para adicionar à lista.


O exercício (ou a falta dele) realmente não aparecia nas minhas consultas médicas. Lembro-me do meu cirurgião recomendar que fosse o mais ativa possível antes da cirurgia. No entanto, isso realmente não apareceu como ponto de discussão durante minhas futuras revisões médicas.


Se eu soubesse o que faço agora, teria apreciado que o exercício é um remédio incrível e pode ser feito com segurança e gradualmente aumentado ao longo do tempo. Eu gostaria de ter dito a mim mesmo, que um pouco há cada dia já é um começo fantástico, não existe desvantagem quando o exercício é feito com segurança e com o apoio certo, o exercício vai melhore absolutamente a sua qualidade de vida… então pare com as desculpas e mexa-se.


Lembre-se sempre, todos os grandes objetivos são compostos de pequenos passos.


O que dizem os pacientes com câncer, (que atendo).


“Não recebi nenhuma informação sobre exercícios, então perguntei ao meu Oncologista se era uma boa ideia”.

“Tentei caminhar diariamente durante minha recuperação e durante meu tratamento de quimioterapia. Alguns dias eram apenas dez minutos ou duas caminhadas de dez minutos, outros até meia hora. Era uma prioridade independentemente do quão exausto e cansado eu estivesse”.

“Tenho 51 anos e sempre fui ativo, por exemplo, exercícios de intensidade moderada a alta 5-6 vezes por semana, aproximadamente 1,5 horas cada sessão… Em março deste ano fui diagnosticado com câncer em estágio 4 e fui operado no cólon e no fígado… eu faço e sinto que o exercício está ajudando minha atenção plena, me permite ter meu 'próprio tempo', autocuidado e acredito que está ajudando meu corpo a lidar com as drogas e o cansaço”.

“Tentei fazer exercícios (caminhar) todos os dias durante a quimioterapia, recebi o conselho de um amigo que ajudou com os efeitos colaterais da quimioterapia. Às vezes eu conseguia 10 minutos, às vezes meia hora”.

“…perder peso é uma batalha difícil. A menopausa pós-tratamento e a luta contra a depressão continuam a dificultar isso. Eu faço muito exercício agora, o que é bom para a minha mente, mas os efeitos secundários do tratamento são problemáticos”.


(Obrigado a todas as mulheres que generosamente compartilharam seus comentários. Todos os comentários foram compartilhados com permissão).


Como este é um tema tão crucial no tratamento do câncer, conversei com a Dra. Meegan Walker para partilhar um pouco mais sobre a importância do exercício na recuperação do câncer. Dr. Walker contribui para o ensino e pesquisa na Universidade de Sunshine Coast. Ela leciona no programa de fisiologia clínica do exercício, com interesse especial em exercícios para tratamento do câncer. Seu foco de pesquisa são as adaptações cardiovasculares ao exercício e o controle vascular do fluxo sanguíneo.


Se isso não fizer você se mexer, nada o fará!


EXERCÍCIO É REMÉDIO PARA PACIENTES COM CÂNCER


Estas informações destinam-se a complementar as informações fornecidas pela sua equipe de saúde. Observe que, ao realizar exercícios, é necessária consideração especial para pacientes com câncer ósseo ou metástases ósseas.     

Quando alguém é diagnosticado com câncer e a equipe de oncologia diz que a quimioterapia será a melhor forma de tratá-lo, raramente as pessoas perguntam: “você tem certeza?” Mas ainda há muitas pessoas que questionam se alguém que está em tratamento contra o câncer deveria praticar exercícios.


O exercício é remédio para pacientes com câncer. É importante e benéfico em todas as fases do tratamento do câncer e durante a sobrevivência.


Temos uma coleção substancial e crescente de evidências de alta qualidade que informam a nossa compreensão do papel do exercício no tratamento do câncer. Os cinco tópicos que abordarei são como o exercício torna o tratamento do câncer mais eficaz, como o exercício melhora a qualidade de vida dos pacientes com câncer, como reduz os efeitos colaterais negativos associados ao tratamento, como protege a saúde física a longo prazo e, finalmente, como o exercício fortalece e ao mesmo tempo reduz a ansiedade e a depressão.


Eficácia do tratamento


Estudos recentes com milhares de pacientes com câncer demonstram uma relação inversa entre o nível de atividade física e a mortalidade relacionada ao câncer.


A mensagem destes dados é clara; pacientes que se exercitam mais vivem mais.


A explicação está relacionada a alguns benefícios específicos do exercício, incluindo maior liberação de miocinas, aumento do fluxo sanguíneo, redução do estresse oxidativo, melhora da função imunológica e cirurgias mais bem-sucedidas.


As miocinas são potentes substâncias químicas anticancerígenas produzidas pelos músculos. Cada vez que os músculos são estimulados com exercício, libertam miocinas, que fortalecem o sistema imunitário e suprimem o crescimento do tumor. Por esta razão, a recomendação atual para pacientes com câncer é fazer exercícios mais curtos e frequentes, pois isso cria explosões regulares de miocinas. Esta estratégia é mais protetora do que fazer exercícios de longa duração com menos frequência .


Durante a quimioterapia, o exercício pode aumentar a eficácia do tratamento, aumentando a taxa de fluxo sanguíneo por todo o corpo. Os medicamentos quimioterápicos são administrados às células cancerosas através da corrente sanguínea e o exercício aumenta o fluxo sanguíneo, aumentando assim o contato e a absorção dos agentes quimioterápicos pelas células cancerosas. Existem agora evidências claras de que o exercício pode tornar o tratamento quimioterápico mais eficaz.


Outro aspecto da eficácia do tratamento para o qual existem evidências crescentes é que o exercício regular reduz a inflamação, reduzindo o stress oxidativo no corpo. O estresse oxidativo é criado por espécies reativas de oxigênio, que são pequenas moléculas voláteis que causam vários problemas. Um problema é que eles atacam o DNA, causando mutações celulares que podem iniciar crescimentos cancerígenos e promover a propagação do câncer. O exercício regular reduz as espécies reativas de oxigênio, reduzindo a frequência de mutação celular, ao mesmo tempo que ajuda a inibir os fatores de crescimento das células cancerígenas.


O exercício regular também está ligado a melhorias na função imunológica, especificamente, o exercício regular aumenta a contagem de glóbulos brancos, o que melhora a vigilância a capacidade de detectar células anormais e a capacidade de combater o crescimento celular anormal.


Existem três maneiras pelas quais o exercício regular leva a melhores resultados cirúrgicos. Primeiro, os tumores são melhor contidos em pessoas que praticam exercícios regularmente. Isto aumenta a probabilidade de remoção de todo o tumor, tornando a cirurgia mais eficaz. Em segundo lugar, as pessoas que praticam exercício tendem a ter menos tecido adiposo e o acesso cirúrgico é mais fácil em pessoas mais magras. Finalmente, o tempo de recuperação após a cirurgia é melhor para quem pratica exercícios. Estar em melhor forma antes da cirurgia significa uma recuperação mais rápida.


Qualidade de vida


O exercício regular melhora a eficiência com que o corpo pode fornecer oxigênio aos músculos em atividade, aumentando a capacidade de transporte de oxigênio do sangue e expandindo a rede capilar que facilita a captação de oxigênio pelos músculos. O exercício regular também melhora a força e a resistência muscular, aumentando a quantidade de trabalho físico que o corpo pode realizar.


Esse aumento de capacidade é transferido para as coisas que precisam ser feitas na vida diária. Os tratamentos contra o câncer geralmente causam fadiga e fraqueza, e isso pode afetar a capacidade de trabalhar, fazer compras, manter a casa ou acompanhar os filhos ou netos. Por sua vez, isto pode criar uma perda de independência e levar a sentimentos de frustração e desamparo. O exercício regular aumenta a capacidade física para realizar as atividades da vida diária e, esperançosamente, também as atividades recreativas. Essa é uma maneira pela qual o exercício melhora a qualidade de vida.


Gerenciamento de efeitos colaterais


Os efeitos colaterais mais pesquisados ​​do tratamento do câncer são fadiga persistente, náusea e dor.


Há um número significativo de estudos que comparam indivíduos em tratamento quimioterápico com e sem prática simultânea de exercícios regulares. Esses estudos indicam de forma convincente que fadiga, náusea e dor são menos relatadas por pessoas que se exercitam regularmente.


A fadiga, em particular, é comum durante o tratamento do câncer e pode ser incapacitante. É vivenciado de forma pessoal e difícil de medir para fins de estudos científicos, mas de acordo com o Conselho Australiano do Câncer e várias agências internacionais de câncer, o exercício é a melhor abordagem para controlar a fadiga relacionada ao câncer.


Se adotarmos o ponto de vista oposto, podemos dizer com segurança que o exercício regular não aumentará a fadiga. Sabemos que não fará mal e é provável que melhore a qualidade do sono, o que pode ajudar a reduzir a fadiga.


Outro tema importante na pesquisa sobre exercícios no tratamento do câncer é que as taxas de conclusão do tratamento são maiores entre aqueles que praticam exercícios. Freqüentemente, a dose de quimioterapia deve ser reduzida ou o tratamento deve ser interrompido porque o corpo não está conseguindo lidar com a situação. Às vezes, os efeitos colaterais tornam-se incontroláveis ​​ou o corpo está muito esgotado ou com o sistema imunológico deprimido. O exercício, ao reduzir a intensidade dos efeitos secundários e tornar o corpo mais forte, melhora a capacidade física de tolerar o tratamento do cancro, aumentando a probabilidade de o tratamento prescrito poder ser concluído. Suportar todo o tratamento oferece uma chance melhor de erradicar o câncer.


Saúde a longo prazo


O tratamento do câncer causa um declínio na saúde dos ossos, músculos e metabolismo. A quimioterapia, a radiação e as terapias hormonais, cada uma à sua maneira, causam um declínio na integridade da estrutura óssea, levando à osteopenia e à osteoporose. Isso pode ser revertido com exercícios. Carregar os ossos com exercícios de resistência, ou carga de impacto (pular ), estimula diretamente o corpo a fortalecer os ossos, prevenindo a osteoporose.


Os medicamentos quimioterápicos esgotam os músculos, reduzindo a força e a resistência. Os motores primários, os grandes músculos que movem as pernas e os braços, são os que geralmente são notados primeiro e direcionados aos exercícios de treinamento de resistência. Isto é benéfico, porém o foco deve estar na força funcional. A força funcional é a força necessária para realizar as atividades diárias com um mínimo de assistência e inclui os músculos necessários para manter uma boa postura. Os músculos posturais são importantes para manter o equilíbrio e prevenir quedas. Um exercício muito simples de postura envolve ficar encostado em uma parede e parar um momento para sentir quais partes do corpo estão tocando a parede, depois focar em manter a cabeça erguida e pressionar os ombros para trás para que toquem a parede.


O tratamento do câncer muitas vezes também prejudica a saúde metabólica. O exercício ajuda a manter um bom controle da glicose (reduzindo a chance de desenvolver diabetes tipo 2), reduz o tecido adiposo e tem efeitos antiinflamatórios benéficos. A redução da inflamação é um tema recorrente foi mencionado acima (lembre-se uma redução na inflamação estava associada a uma redução na mutação do ADN, aumento de glóbulos brancos e melhoria da função imunitária). Outras razões importantes para reduzir a inflamação (e as espécies reativas de oxigênio associadas) é que elas estão diretamente ligadas ao acúmulo de placas ateroscleróticas nos vasos sanguíneos e promovem alterações artríticas nas articulações.


Outro tema de saúde a longo prazo que emerge na investigação é que as taxas de recorrência do cancro são 30 a 40% mais baixas em pessoas que praticam exercício físico regularmente. Isto parece estar relacionado a algumas coisas, incluindo a produção de miocinas, redução do estresse oxidativo, aumento da função imunológica e alterações hormonais positivas.


Saúde mental


Os benefícios do exercício não se limitam ao bem-estar físico. O câncer é um diagnóstico confrontador. Muitos aspectos do tratamento do câncer não estão sob o controle do paciente, e isso pode fazer com que o paciente se sinta como uma vítima envolvida em um processo que se agrava rapidamente.


O exercício é uma escolha quando você o faz, você. Do ponto de vista do paciente, sessão após sessão, dia após dia, ele está fazendo o que pode para ajudar a si mesmo, para reduzir os efeitos colaterais e para se sentir no controle dos resultados. Isso é fortalecedor.


Para todas as pessoas, com ou sem câncer, o exercício é considerado um remédio para o bem-estar mental. Existem agora centenas de estudos de investigação de alta qualidade que demonstram que o exercício regular reduz a ansiedade, reduz a depressão, alivia o stress e contribui para a autoestima e o humor positivos. É benéfico para todos nós.


O exercício regular torna o tratamento do câncer mais eficaz de várias maneiras. Períodos frequentes de exercício provocam a liberação regular de miocinas protetoras, melhoram a circulação de medicamentos quimioterápicos nos tecidos-alvo, reduzem o estresse oxidativo e melhoram os resultados cirúrgicos.


Para cada indivíduo, o tipo, intensidade e duração ideais do exercício serão diferentes. Algum exercício é melhor do que nenhum exercício e, geralmente, mais é melhor do que menos.


Quer você esteja lendo este artigo como alguém recém-diagnosticado com câncer, se já está no caminho do câncer há algum tempo ou simplesmente está interessado em viver o máximo e da forma mais saudável possível, sua jornada para o bem-estar será apoiada por meio de exercícios regulares.


Esperamos que você tenha gostado deste artigo, e que eu possa servir de inspiração para você acrescentar exercícios na sua rotina diária, se ainda não começou .








10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page