top of page

Melhor dieta para pacientes com câncer?

Atualizado: 15 de fev.


Navegar na tênue relação entre comida e câncer pode ser uma tarefa assustadora. Como sociedade, somos constantemente bombardeados com mensagens sobre quais alimentos devemos ou não comer. A informação está mudando continuamente e muitas vezes contraditória. Existem novas tendências, velhas práticas que voltam à moda e, às vezes, reivindicações infundadas. E mesmo sabendo que existe uma forte conexão entre comida e doença, ela é frequentemente negligenciada pela comunidade médica ao discutir planos de tratamento.


Aqui está uma olhada em três dos planos alimentares mais populares e seus efeitos na prevenção e tratamento do câncer. 


Dietas vegetarianas, veganas e baseadas em vegetais


Passe mais do que alguns minutos nas mídias sociais e descubra rapidamente como as dietas à base de plantas se tornaram populares. De celebridades a atletas e restaurantes com estrelas Michelin, dizer não a projetos de carne e/ou laticínios tornou-se moda. E é, sem dúvida, uma forma mais saudável de cuidar do nosso corpo e do planeta. Mas você sabia que um estilo de vida totalmente baseado em alimentos vegetais pode ter um grande impacto no risco de câncer, bem como na recuperação? Em primeiro lugar, há evidências convincentes de que certos tipos de carne podem causar câncer. Pesquisas atuais mostram que produtos químicos específicos em carnes vermelhas e processadas tanto adicionadas quanto naturais fazem com que esses alimentos sejam cancerígenos (tendo o potencial de causar câncer). A pesquisa sobre laticínios e câncer não é tão conclusiva.


Por outro lado, uma dieta baseada em vegetais, composta por frutas, vegetais, grãos integrais, feijões, nozes e sementes, maximiza o consumo de compostos anticancerígenos encontrados nos alimentos. Isso leva a um microbioma intestinal mais saudável, menor inflamação e níveis de estresse celular e um peso corporal mais saudável, o que pode ajudar a prevenir o câncer. De fato, um grande estudo publicado no International Journal of Cancer descobriu que aqueles que comeram mais alimentos vegetais e menos alimentos de origem animal reduziram o risco de câncer em 15%. 


Vegetais crucíferos, como brócolis, rúcula, repolho, couve de bruxelas, cogumelos, levedura nutricional e a família de vegetais allium, que inclui cebola, alho e alho-poró, demonstraram conter propriedades anticancerígenas. Além disso, uma enorme quantidade de literatura científica mostra que uma dieta saudável baseada em vegetais pode melhorar suas chances de remissão e sobrevivência, mesmo após um diagnóstico de câncer. Câncer de mama, colorretal e câncer de próstata demonstraram ter taxas de remissão e sobrevivência mais longas entre os pacientes que consomem mais frutas, vegetais e grãos integrais. E embora não existam necessariamente alimentos mágicos que garantam a cura do câncer, alguns certamente se destacam por seus benefícios à saúde relacionados à doença. Por exemplo, mirtilos, morangos, maçãs, laranjas, pêssegos, cebolas, tomates, couve-flor, cenoura, batata-doce, couve, brócolis, uva e espinafre; grãos e sementes, incluindo arroz integral, aveia e grãos integrais, e feijões e leguminosas, incluindo grão-de-bico e lentilhas, estão entre os alimentos que demonstraram auxiliar na antiangiogênese, que é o processo de prevenção do crescimento de vasos sanguíneos que alimentam tumores e câncer.


Dieta mediterrânea


A Dieta Mediterrânea, como o nome sugere, é um plano de estilo de vida inspirado nos hábitos alimentares das pessoas que vivem perto do Mar Mediterrâneo. Foi inicialmente formulado na década de 1960 e baseado nas cozinhas da Grécia, Itália, França, Espanha e Império Otomano. A dieta é rica em peixe, azeite, vegetais, grãos integrais, nozes e legumes, e limita, mas não elimina completamente o consumo de carne vermelha, laticínios e álcool. A Dieta Mediterrânea há muito é elogiada como uma das formas mais saudáveis ​​de alimentação do planeta. Além da perda e manutenção do peso, pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares, manter os níveis saudáveis ​​de açúcar no sangue, pressão arterial e colesterol, e até retardar o declínio da função cerebral à medida que envelhece. 


Em termos de câncer, a Dieta Mediterrânea é considerada um método poderoso e gerenciável para combater a doença. Os alimentos incluídos na dieta são geralmente repletos de propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que ajudam a prevenir e neutralizar os danos ao DNA e retardar o desenvolvimento de várias formas de câncer e proliferação de células cancerígenas. Uma série de estudos associou a dieta mediterrânea a um risco reduzido de mortalidade geral por câncer e a um risco reduzido de vários tipos de câncer. 


Uma pequena amostra desses estudos inclui:


  1. Câncer Colorretal: Um estudo de 2018 descobriu que três elementos-chave da dieta uma grande quantidade de peixe, uma grande quantidade de frutas e uma baixa quantidade de refrigerantes foram associados a uma redução de mais de 30% nas chances de uma pessoa ter avançado, lesão colorretal pré-cancerosa quando comparados àqueles que não consumiram nenhum desses componentes.

  2. Câncer de Mama: 15.000 mulheres na Grécia foram estudadas por quase uma década, onde se descobriu que as mulheres na pós-menopausa no grupo da Dieta Mediterrânea tinham um risco menor de câncer de mama do que aquelas que não o faziam. 

  3. Câncer de próstata: um estudo realizado nos Estados Unidos analisou 410 homens diagnosticados com câncer de próstata e suas escolhas alimentares. Depois de ajustar a idade e as características clínicas, os pesquisadores observaram uma associação significativa entre uma alta pontuação inicial na dieta e um menor risco de progressão do grau de câncer. Para cada aumento de um ponto na pontuação da dieta mediterrânea, os pesquisadores observaram um risco 10% menor de progressão. 


A Dieta Cetogênica


Nos últimos anos, a dieta cetogênica, ou ceto para abreviar, tornou-se incrivelmente popular como método de perda de peso. Envolve reduzir significativamente a ingestão de carboidratos e substituí-la por gordura e proteína. Pense em um cheeseburger suculento com queijo derretido e muita maionese… mas sem pão. Quando isso acontece, seu corpo se torna incrivelmente eficiente na queima de gordura para obter energia, um processo conhecido como cetose. Também transforma gordura em cetonas no fígado, que pode fornecer energia ao cérebro. As dietas cetogênicas podem causar reduções significativas nos níveis de açúcar no sangue e insulina. Isso, junto com o aumento de cetonas, é conhecido por trazer benefícios à saúde além da perda de peso. A dieta cetogênica reduz os níveis de IGF-1 e o risco de diabetes e obesidade. Esses fatores podem levar a um risco reduzido de desenvolver câncer em primeiro lugar.


Para entender a relação entre a dieta cetônica e o tratamento do câncer, temos que pensar sobre o papel do açúcar no sangue no câncer. Quase todas as células cancerígenas compartilham uma característica comum: elas se alimentam de carboidratos ou açúcar no sangue para crescer e se multiplicar. A dieta cetônica reduz drasticamente os níveis de açúcar no sangue por meio do processo de cetose, que pode efetivamente “matar de fome” as células cancerígenas, fazendo com que elas cresçam mais lentamente, diminuam de tamanho ou possivelmente até morram. Além disso, a redução de carboidratos reduz a energia disponível para o corpo, o que pode, por sua vez, retardar o crescimento do tumor e a progressão do câncer.


Os pesquisadores estudaram a dieta cetogênica como uma terapia alternativa contra o câncer por décadas, principalmente em animais. Por exemplo, um estudo de camundongos com câncer metastático testou uma dieta cetogênica. Quando comparada com uma dieta padrão, a dieta cetogênica resultou em uma diminuição significativa no crescimento do tumor. Outro estudo descobriu que o uso de uma dieta muito baixa em carboidratos para restringir os níveis de glicose impediu o crescimento de tumores de carcinoma de células escamosas em camundongos com câncer de pulmão ou câncer de esôfago. Recentemente, os cientistas também começaram a estudar os resultados da dieta cetônica em pacientes com câncer humano. Os dados ainda estão surgindo, mas pesquisas limitadas parecem mostrar que uma dieta cetogênica pode reduzir o tamanho do tumor e a taxa de progressão de certos tipos de câncer. 


Apesar dos claros benefícios gerais para a saúde e pesquisas emergentes sugerindo que uma dieta cetogênica pode contribuir para a prevenção e tratamento do câncer, ela tem seus riscos. É muito rico em gordura, e muitos alimentos permitidos na dieta, como a carne vermelha , demonstraram aumentar o risco de alguns tipos de câncer. A dieta também é muito limitada em relação aos alimentos conhecidos por prevenir o câncer, como grãos integrais, frutas e alguns vegetais. Pode ser um desafio para aqueles submetidos a terapias tradicionais contra o câncer consumir calorias suficientes durante a dieta. Qualquer pessoa que esteja considerando uma dieta cetônica deve primeiro consultar seu médico.


Conclusão:


Embora ainda não seja possível fornecer estimativas quantitativas dos riscos gerais, estima-se que 35% das mortes por câncer podem estar relacionadas a fatores dietéticos. Dietas que incluem frutas, vegetais e especiarias podem fornecer benefícios substanciais à saúde na prevenção e tratamento do câncer, suprimindo os processos inflamatórios que levam à transformação, hiperproliferação e início da carcinogênese. A dieta é claramente um componente importante, mas não substitui um regime de tratamento completo. Qualquer programa alimentar deve ser discutido com seu médico e implementado sob a orientação de um profissional, nutricionista de saúde integrativa qualificado.




0 visualização0 comentário

Comentários

Avaliado com 0 de 5 estrelas.
Ainda sem avaliações

Adicione uma avaliação
bottom of page