top of page

Quem são os jogadores da indústria farmacêutica (Big Pharma)?


O termo “Big Pharma” é usado com bastante frequência para descrever grandes empresas farmacêuticas que ganham literalmente bilhões de dólares todos os anos para manter os americanos regularmente abastecidos com pílulas no valor de um armário de remédios. Mas quando dizemos Big Pharma, quem são os jogadores na indústria farmacêutica? Quem é responsável por inundar bairros e comunidades com medicamentos viciantes? Quem são as agências responsáveis por mantê-los sob controle? Como outros países estão lidando com o tratamento da dependência?


O Dinheiro da Medicina


Há dois lados da moeda desta conversa: a indústria farmacêutica, que é responsável pelo desenvolvimento, fabricação e comercialização de medicamentos para uso como medicamentos; e Big Pharma, o termo coloquial (e muitas vezes pejorativo) usado para descrever corporações sem rosto que empurram medicamentos extremamente superfaturados para consumidores infelizes e desesperados.


Alguns dos nomes dos maiores players do setor podem ser familiares. Outros podem não tocar tantos sinos, mas com seu valor de mercado, o anonimato relativo funciona a seu favor. The Motley Fool fornece uma lista das empresas que fazem os melhores negócios:


  • Johnson & Johnson (valor de mercado de US$ 276 bilhões)

  • Novartis (US$ 273 bilhões)

  • Pfizer (US$ 212 bilhões)

  • Merck (US$ 164 bilhões)

  • GlaxoSmithKline (US$ 103 bilhões)

  • Eli Lilly (US$ 98 bilhões)


Esses bolsos profundos permitem que as empresas farmacêuticas gastem quantias astronômicas em publicidade. Em 2014, os gastos com publicidade valeram US$ 4,53 bilhões, representando um aumento de 18% ano a ano. De todas as empresas individuais do setor, a Pfizer gastou US$ 1,4 bilhão em publicidade. Eli Lilly, a empresa por trás da medicação para disfunção erétil Cialis, gastou US$ 272 promovendo apenas essa droga.


O valor mais alto pago em um único ano na comercialização de produtos farmacêuticos foi de US$ 5,4 bilhões em 2006. Dez anos depois, um anúncio foi ao ar durante o Super Bowl daquele ano que durou 60 segundos e custou US$10 milhões para produzir, mas atingiu 111 milhões de espectadores.O BMJ Journal escreve que as empresas farmacêuticas gastam 19 vezes mais em marketing do que em pesquisa e desenvolvimento.


Isso é muito dinheiro para gastar em publicidade, mas o io9 escreve que cada US$ 1 gasto em um comercial, outdoor, rádio ou anúncio impresso, traz mais de US$ 4 em vendas no varejo. Por exemplo, a Boehringer Ingelheim gastou US$ 464 milhões em publicidade para Pradaxa, seu anticoagulante, em 2011. Em 2011, as vendas da Pradaxa ultrapassaram US$ 1 bilhão.


Marketing de Medicina


O investimento é sólido: os médicos prescrevem novos medicamentos que são apresentados na publicidade direta ao consumidor nove vezes mais do que os medicamentos que não são comercializados publicamente. Isso ocorre porque os pacientes às vezes exigem receber os medicamentos que viram em comerciais (ou ouviram falar de seus amigos e familiares), mas também porque alguns médicos recebem bônus bonitos por promover medicamentos de certos fabricantes.


O Wall Street Journal criou um gráfico interativo que mostrou como as empresas recompensaram os médicos, e por quanto, em apenas quatro meses entre agosto e dezembro de 2013:


  • Palestras promocionais e honorários: US$ 228.1 milhões

  • Viagens, hospedagem e entretenimento: US$ 95,9 milhões

  • Alimentos e bebidas: US$ 92,8 milhões5


Um dos resultados dessa avalanche de gastos é que as empresas farmacêuticas são vistas e ouvidas em todos os lugares na esfera pública. "É verdade", escreve o Washington Post, "as empresas de drogas estão bombardeando sua TV com mais anúncios do que nunca". Graças às regras federais que permitem que as empresas farmacêuticas anunciem diretamente aos consumidores e a uma recuperação econômica após a Grande Recessão, as empresas farmacêuticas aproveitaram seu tempo ao sol. Em 2014, a televisão foi responsável por 61,6% da receita de publicidade direta ao consumidor das empresas.


O Lado Errado da Lei


O negócio da indústria farmacêutica nem sempre é agradável. Dada a concorrência acirrada de corporações rivais e as quantias insondáveis de dinheiro a serem feitas, não é surpreendente que algumas das maiores multas federais já cobradas tenham vindo contra os fabricantes de medicamentos.


Em 2012, por exemplo, a GlaxoSmithKline se declarou culpada de acusações criminais de promover voluntariamente seus principais medicamentos antidepressivos, como Paxil e Wellbutrin, para consumidores com menos de 18 anos. Nenhum dos medicamentos foi aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA para ser usado por menores, razão pela qual o governo impôs uma multa de US$ 3 bilhões à empresa. Em 2012, a Johnson & Johnson foi atingida com uma multa de US$ 2,2 bilhões por promover o uso off-label de seus medicamentos (ou seja, a empresa foi considerada culpada de incentivar os consumidores a usar os medicamentos para fins não tolerados pela FDA). A Pfizer, em 2009, pagou US$ 2,3 bilhões pela comercialização ilegal de seu medicamento Bextra. O New York Times observou que a multa, uma “soma recorde” na época, representava menos de três semanas das vendas da Pfizer.


Com tanto dinheiro em jogo, não é surpresa que as empresas farmacêuticas estejam por trás de algumas das maiores fusões e aquisições da história. A Pfizer comprou a Warner-Lambert por US$ 87,3 bilhões em 1993 (ajustando a inflação, cerca de US$ 125 bilhões em 2016). O objetivo da Pfizer era ter uma única influência de marketing sobre a droga Lipitor, um medicamento para reduzir o colesterol. O negócio de Nova York da Crain chamou Lipitor de "o medicamento mais vendido na história dos produtos farmacêuticos", depois que o medicamento gerou receita de US$ 1 bilhão em seu primeiro ano e passou a produzir US$ 125 bilhões em vendas em quase 15 anos. A indústria farmacêutica tem alguns bolsos muito profundos; em todo o mundo, o mercado de medicamentos valia US$ 1 trilhão em 2014, e um quarto dessa receita veio apenas dos Estados Unidos, onde cinco das 10 principais empresas de fabricação farmacêutica estão localizadas.


Quando a Indústria Farmacêutica Se Torna Big Pharma


Com esses bolsos vem uma forte mão de influência política e legislativa, no valor de US$ 2,9 bilhões entre 1998 e 2014 em despesas de lobby e US$ 15 bilhões em contribuições de campanha entre 2013 e 2014. Para algumas pessoas, isso atravessa a linha entre antiético e ilegal. Mesmo que o governo federal emita multas maciças para manter essas empresas sob controle, a própria indústria é um contribuinte significativo para o orçamento da Food and Drug Administration, levando a preocupações de conflitos de interesse e suborno total. Isso, dizem observadores e cães de guarda, é onde “a indústria farmacêutica” se torna “Big Pharma”.


A Medicina Baseada na Ciência se pergunta se a influência da Big Pharma vai longe demais, não apenas para anunciantes e lobistas, mas para médicos dispostos a aceitar bônus lucrativos e pacientes assustados exigindo que sejam prescritos medicamentos de marca por nenhuma outra razão a não ser ver esses nomes na mídia. A própria “psiquiatria do povo americano” não é imune ao peso de literalmente bilhões de dólares em gastar dinheiro.


A Nova Máfia Americana


É por razões como essas que o Daily Beast se referiu à indústria farmacêutica como "a nova máfia da América", alavancando enormes somas de dinheiro e reconhecimento de marca para colocar 70% dos consumidores americanos em medicação. Muitas dessas pessoas são membros de dados demográficos vulneráveis e de risco que precisam de medicação para realizar suas vidas diárias ou que não têm acesso às informações para determinar se os medicamentos caros e potencialmente viciantes serão bons para eles.


Para a Big Pharma, essas pessoas são, em última análise, consumidores. Onze empresas da indústria farmacêutica fizeram US$ 711 bilhões com o Medicare, o programa do governo para idosos e cidadãos com deficiência, levando o Huffington Post a declarar que a Big Pharma está cometendo um roubo ao sobrecarregar os contribuintes. O gasto per capita com drogas nos Estados Unidos é 40% maior do que no Canadá, 75% maior do que no Japão e quase três vezes maior do que na Dinamarca.


Em 2014, o The New York Times citou um professor de prática de gestão da Harvard Business School, que perguntou se o objetivo das grandes corporações farmacêuticas era pesquisar e desenvolver medicamentos que possam melhorar a qualidade de vida das pessoas, ou depois que a Pfizer não conseguiu comprar a AstraZeneca, uma empresa multinacional farmacêutica e de produtos biológicos por US$ 119 bilhões, se tais entidades existiam "para ganhar dinheiro para os acionistas através da engenharia financeira.


Marca vs. Genéricos


Outro exemplo vem de Nova Jersey, lar de muitos gigantes da indústria farmacêutica. Um deles é a Endo Pharmaceuticals, que foi processada pela Comissão Federal de Comércio em 2016 por bloquear ilegalmente a produção de versões genéricas de baixo custo de seus medicamentos, Opana ER e Lidoderm. NoState, os residentes idosos e deficientes são mais propensos a receber medicamentos de marca em vez de medicamentos genéricos básicos do que em qualquer outro estado do país. A média nacional de prescrições de marca é de 21,2, mas esse número dispara até 28% em Nova Jersey, um número representativo do que os médicos locais chamaram de "exceita excessiva".


A Scientific American explica que a diferença não tem tanto a ver com a composição química ou a qualidade da marca e dos medicamentos genéricos, mas como eles são regulados e fixados pelo preço. Os medicamentos de marca são obviamente muito mais caros do que os genéricos, embora os genéricos possam ter efeitos aceitavelmente semelhantes nos pacientes. O professor e chefe do Departamento de Prática de Farmácia da Universidade de Connecticut, de acordo com o The Huffington Post, “recomenda fortemente” que os pacientes escolham medicamentos genéricos em vez de produtos de marca, se possível, “já que eles quase sempre funcionam também e podem economizar muito dinheiro às pessoas”.


No entanto, as empresas que produzem medicamentos genéricos muitas vezes não têm a influência financeira e o poder de compra das maiores empresas farmacêuticas que produzem os medicamentos de marca. Isso, apesar da FDA afirmar que quase 80% das prescrições preenchidas nos Estados Unidos são para medicamentos genéricos, sugerindo a influência inimaginável que as empresas da Big Pharma têm sobre esse mercado.


Com grande parte da indústria farmacêutica alojada em Nova Jersey, os médicos de lá estão expostos a muito mais da influência e alavancagem que a Big Pharma pode exercer, levando os médicos a escrever ansiosamente prescrições para medicamentos de marca e receber bônus luxuosos por seus esforços, às vezes na forma de alimentos e bebidas gratuitos, e outras vezes na forma de suítes de estádios privados em eventos esportivos e jantares em restaurantes cinco estrelas.


Big Pharma's Big Pockets


Os pacientes podem ser cúmplices por conta própria, muitas vezes substituindo a opinião de seus médicos sobre o uso de um medicamento genérico em vez de uma contraparte de marca desnecessária. O Consumer Reports cita o Journal of the American Medical Association ao observar que muitos médicos concordam com as demandas de seus pacientes. Pesquisadores que escrevem no journal of Medical Care lamentam que os pacientes que solicitam um medicamento específico durante as consultas médicas têm o efeito de aumentar “dramaticamente” a frequência com que seus médicos prescrevem esse medicamento em particular. Falando ao NJ Spotlight, um médico lamenta que as grandes corporações farmacêuticas “têm o governo e os reguladores no bolso”.


A ascensão do 'líder do pensamento'


Os médicos que aceitam as aberturas das empresas farmacêuticas e as empresas que se envolvem na prática veem as coisas de forma um pouco diferente. A Pharmaceutical Research and Manufacturers of America, o grupo comercial que representa os interesses da indústria farmacêutica nos EUA, tem a posição oficial de que o negócio entre fabricantes de medicamentos individuais e médicos é melhorar o atendimento ao paciente através do avanço de interesses compartilhados na assistência farmacêutica.


Uma maneira de fazer isso é pelo trabalho dos médicos falando com outros médicos, seja em ambientes individuais ou em simpósios e seminários. Um médico nessa função é conhecido como um "líder de pensamento", alguém que é pago por uma empresa farmacêutica para falar com outros médicos sobre um medicamento, fabricados por essa empresa.


Em “How to Win Doctors and Influence Prescriptions”, a NPR escreve que o termo líder de pensamento é amplamente entendido como um eufemismo. Mesmo quando a Pharmaceutical Research and Manufacturers of America procurou reduzir alguns dos métodos mais excessivos usados para cortejar médicos, o grupo comercial ainda deixou a porta aberta para uma maneira mais sutil de espalhar sua mensagem.


A Psicologia de Fazer Líderes a dos Médicos


Em vez de assentos de suíte no estádio esportivo, as empresas farmacêuticas se voltaram para os próprios médicos, pedindo que os médicos se tornassem palestrantes em restaurantes de luxo e salas de conferências de hotéis. O papel do médico é educar seus colegas sobre as vantagens e desvantagens de um determinado medicamento, pelo qual uma boa taxa é paga. A natureza do papel é explicitamente estabelecida pela empresa que paga o médico pelo trabalho, os médicos são treinados para apresentar os medicamentos de uma maneira muito específica, usando uma linguagem psicologicamente precisa que apelará ao sentido comum que os médicos reunidos compartilham. A NPR observa que todos os representantes farmacêuticos que entrevistaram para sua história “usaram exatamente a mesma frase” ao falar sobre como os médicos estavam preparados para seus papéis como líderes de pensamento.


Um médico diz à NPR que seu papel é aumentar a educação e a conscientização sobre novos medicamentos que chegam ao mercado. O dinheiro é bom, diz ele, mas a satisfação vem de ensinar outros médicos como eles podem ajudar seus pacientes.


Esse impulso de ego fornece um verniz de isolamento contra o trabalho que os representantes farmacêuticos costumavam fazer, ir a hospitais e clínicas e tentar cortejar médicos agitados e ocupados com amostras gratuitas e estatísticas brilhantes, normalmente recebidos com "despreciamento e abuso". Alguns médicos até proibiriam representantes de suas instalações profissionais.


Quando um líder de pensamento faz isso, no entanto, geralmente em um ambiente muito mais agradável do que um consultório médico ou um hospital, há uma sensação de avançar uma causa maior do que eles mesmos; eles fazem isso em nome dos acadêmicos e em nome da medicina. Esse sentimento de inspiração sugere uma nova direção que a indústria farmacêutica está adotando, mas um ex-representante falando com a NPR admite que não mudou muito. A definição de um líder de pensamento é “um médico com uma grande população de pacientes que pode escrever muitos medicamentos farmacêuticos”.


Declarando-te culpado e pagando multas


Impulsionado por literalmente bilhões de dólares em pesquisa e publicidade, o sistema de saúde moderno parece preso entre aqueles que querem legitimamente avançar a medicina e aqueles que querem um pedaço da torta muito rica. Escrevendo sobre o acordo de US$ 1,4 bilhão que Eli Lilly chegou com o governo federal, a ProPublica observa que os representantes de vendas agindo em nome da empresa incentivaram os médicos a promover usos "fora do rótulo" do medicamento Zyprexa. Como tais usos não são aprovados por regulamentações como a Food and Drug Administration, os representantes de vendas e os médicos que fizeram o que lhes foi dito estavam violando a lei federal.


Ações judiciais de denunciantes, geralmente ex-representantes de vendas descontentes, fartos das práticas comerciais implacáveis, destacaram outras práticas desonestas de empresas da indústria farmacêutica. Por exemplo, Allergan, os fabricantes de Botox, hospedou mais de 200 médicos em um resort à beira-mar na Califórnia, que receberam US$ 1.500 para não fazer nada além de ouvir apresentações. Allergan concordou com um acordo do governo de US$ 600 milhões e ofereceu uma confissão de culpa por erro de marca Botox.


Em outros lugares, os representantes de vendas dos Laboratórios Florestais apoiaram os médicos para prescrever Celexa e Lexapro sob o pretexto de participar de um programa onde eles apenas "observariam" os médicos - que, por sua vez, receberam até US$ 1.000 cada um por sua participação. Uma subsidiária da Forest Laboratories se declarou culpada de acusações de crime e contravenção, e a própria empresa pagou US$ 313 milhões em penalidades criminais e civis combinadas.


Promoções Ilegais e Divulgações Públicas


Da mesma forma, a Wyeth Pharmaceuticals, de propriedade da Pfizer, foi acusada de contratar palestrantes com base na frequência com que eles prescreveram um dos medicamentos da empresa. Dois ex-revendedores de vendas registraram que a administração da corporação não apenas “exclui os palestrantes que não promoveram (a droga)”, mas também recompensou aqueles que o fizeram com vários compromissos e pagamentos de palestras.


O método da Wyeth Pharmaceutical de lidar com médicos dissidentes, aqueles que tinham opiniões desfavoráveis ou entusiasmadas sobre o medicamento, era ter representantes de vendas "aconselhando" os médicos sobre como eles poderiam tratar a medicação com maior favor.


Algumas empresas farmacêuticas nem se preocupam com o aconselhamento. Uma queixa em 2008 contra Cephalon acusou a empresa de recompensando os palestrantes pobres, desde que eles “prescreveram fortemente” os medicamentos produzidos pela empresa. Alguns médicos foram pagos para participar de sessões de treinamento em palestras públicas, embora não houvesse plano para fazer os médicos realmente fale em seminários ou reuniões. Outros médicos foram pagos quando não havia membros da audiência presentes. Mesmo bons oradores públicos foram descartados por Cephalon se fosse descoberto que eles não escreveram “prescrições substanciais fora do rótulo”. Cephalon se declarou culpado de uma acusação de contravenção de vender drogas de marca errada e pagou US$ 425 milhões em multas. Os termos do acordo incluíam Cephalon ter que divulgar publicamente a natureza e o valor dos pagamentos que fez aos médicos.


Purdue Pharma e a epidemia americana de opioides


A Big Pharma levantou muitas sobrancelhas pelo dinheiro que pode jogar em médicos e legisladores, mas talvez o efeito mais sério que teve na saúde americana seja a epidemia de prescrição excessiva de drogas poderosamente viciantes. Uma pesquisa de 2011 realizada pela Kaiser Family Foundation revelou que os americanos de 19 a 64 anos receberam uma média de 11,9 prescrições, e os americanos com 65 anos ou mais receberam uma média de 28 prescrições. Os Estados Unidos compõe apenas 5% da população mundial, mas consomem 80% dos analgésicos do mundo.


Um número impressionante desses analgésicos tem a marca d'água de uma empresa farmacêutica.


Essa mesma empresa começou o que a The Week chama de "epidemia de opioides americano", graças a uma estratégia de marketing implacável que minimizou a verdadeira natureza do medicamento que está sendo produzido.31 Em 1995, a Food and Drug Administration deu o apar com audência à Purdue Pharma, uma empresa familiar privada em Stamford, CT, para produzir OxyContin, a marca da forma genérica da oxicodona, um opioide semi-sintético. Demorou um ano para a OxyContin gerar US$ 45 milhões em vendas. No início da década seguinte, as vendas passaram de US$ 1 bilhão; no final dessa década, as vendas passaram de US$ 3 bilhões. Em 2010, a Purdue Pharma possuía um terço do mercado de analgésicos nos Estados Unidos, tudo graças ao OxyContin.


Para chegar a esse ponto, a Purdue Pharma teve muita ajuda. A empresa passou de empregar 318 representantes de vendas em 1996 para 671 em 2000. Para melhor empurrar a OxyContin para médicos e "líderes de pensamento", esses representantes de vendas receberam bônus anuais no valor de US$ 70.000; alguns viram seus bônus passarem por US$ 250.000. Em 2001, depois que a OxyContin registrou vendas de US$ 1 bilhão, as despesas da Purdue Pharma na promoção do medicamento para os médicos ultrapassaram US$ 200 milhões. A empresa até criou uma lista de médicos que, com base no precedente, provavelmente prescreveriam analgésicos para seus pacientes e perseguiriam ativamente esses médicos.


Brinquedos de Pelúcia e Cupons para Prescrições Gratuitas


Entre 1995 e 2000, a Purdue Pharma sediou 40 “conferências de dor” em resorts que atendiam a médicos de cuidados primários e médicos especializados no tratamento do câncer. A empresa providenciou mais de 2.500 médicos para fazer discursos e apresentações (pagos) nas conferências.


Em um único ano (2001), Purdue colocou US$ 4,6 milhões para anunciar a OxyContin em revistas médicas.Um relatório do Government Accountability Office publicado em 2003 revelou que a Purdue Pharma “distribui vários tipos de itens promocionais de marca” para médicos incluindo:


  • Chapéus de pesca OxyContin

  • Brinquedos de pelúcia

  • Etiquetas de Bagagem

  • CDs de música

  • Canecas de café com mensagens ativadas por calor


A empresa até criou um programa pelo qual os médicos poderiam distribuir cupons aos seus pacientes para prescrições gratuitas e de uso único do OxyContin. As inacreditáveis somas de dinheiro valem a pena. As prescrições de OxyContin em 2002 foram dez vezes maiores do que as de 1997. Para acompanhar a demanda voraz, a FDA aprovou a Purdue Pharma aumentando a dosagem por comprimido, dobrando os 80 mg originais para 160 mg.


A Verdade por trás do OxyContin


Tudo isso mascarava uma realidade feia, os efeitos do OxyContin desapareceram muito mais cedo do que a duração mágica de 12 horas, um fato que a Purdue Pharma conhecia muito bem. De acordo com um relatório aprofundado do Los Angeles Times, a Purdue Pharma sabia disso quando o medicamento estava passando por ensaios clínicos em meados dos anos 90. Quando os médicos começaram a prescrever doses mais curtas para garantir que seus pacientes não começassem a se retirar de sua terapia medicamentosa, os representantes de vendas, agindo por ordens dos executivos da Purdue, incentivaram os médicos a prescrever doses mais fortes. O Times explica que a principal razão pela qual a OxyContin desfrutou de tal domínio de mercado lotado de analgésicos foi por causa de sua promessa de alívio de 12 horas. Tire isso, e não muito separa o OxyContin dos analgésicos menos caros.


Um engano nessa escala não poderia ser encoberto por muito tempo, especialmente à medida que mais e mais americanos começaram a abusar do OxyContin, roubar pílulas e forjar prescrições, e médicos sem escrúpulos ficaram mais do que felizes em ajudar. Quando o OxyContin se tornou demais para pagar, e a necessidade de tomar mais medicamentos se tornou demais para resistir, as pessoas se voltaram para alternativas mais mortais.


O Instituto Nacional de Abuso de Drogas relata que, em 2001, cerca de 2.000 pessoas tiveram uma overdose de heroína nos Estados Unidos. Em 2013, a heroína ceifou cerca de 8.000 vidas. À medida que a contagem de comércio e mortes de heroína aumentou, o mesmo aconteceu com o número de mortes relacionadas à overdose de opioides prescritos, como o OxyContin da Purdue Pharma. Houve 6.000 dessas mortes em 2001; em 2013, havia 15.000. A Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde descobriu que 80% dos usuários de heroína começaram a usar opioides, mudando drasticamente a demografia do uso de drogas em todo o país.


O rastro de morte e miséria levou de volta à OxyContin, que levou de volta à Purdue Pharma. Em 2007, o Departamento de Justiça iniciou um processo contra Purdue no tribunal federal, sob acusações de médicos e pacientes enganosos, alegando que o OxyContin era menos propenso a ser abusado do que outras formas de narcóticos. Purdue admitiu que eles denoaram mal a OxyContin como "resistente ao abuso" e pagaram US$ 600 milhões em multas, um valor que a revista Pacific Standard diz que "teria pouco efeito na receita da empresa". 39, 40 Mesmo depois que três executivos da empresa pagaram US$ 35,4 milhões em multas individuais, a OxyContin ainda ganha US$ 3 bilhões todos os anos para a empresa. A família Sackler, que é proprietária privada da Purdue Pharma, vale US$ 14 bilhões, totalizando a 16a maior fortuna dos Estados Unidos.


A Big Pharma vai ficar maior?


Em 2014, a ProPublica escreveu que o valor total que as empresas farmacêuticas concordaram em pagar ao Departamento de Justiça em multas e penalidades por práticas fraudulentas de mercado, como a promoção de medicamentos para usos que violam os padrões de aprovação da Food and Drug Administration, excedeu US$ 13 bilhões.


O número colossal não só fala da gravidade e do escopo do pior da Big Pharma, mas também das alturas vertiginosas da influência financeira que as empresas da indústria farmacêutica exercem.


Essas empresas podem ser encaixadas individualmente em centenas de milhões de dólares até mesmo alguns bilhões de dólares, mas ainda recuperar essas perdas em questão de semanas. Mesmo que as corporações admitam a culpa e prometam fazer melhor da próxima vez, seus produtos inundam hospitais e farmácias, armários de remédios e bolsas de ginástica. Blitzes de marketing e milhões de dólares jogados em pontos comerciais no horário nobre garantem que, para todos os processos judiciais e imprensa negativa, a Big Pharma não vai ficar menor.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page