top of page

Cinco drogas comuns que podem matar tumores


1. Analgésico


Um dos analgésicos de venda livre mais comuns, a aspirina bloqueia as enzimas usadas na fabricação de prostaglandinas, produtos químicos que alertam o cérebro para a dor e fazem o tecido inchar, desencadeando a liberação de fluido. Reduz a inflamação crônica que se acredita desencadear danos ao DNA nas células e levar à formação de tumores. Os cientistas acreditam que a aspirina também pode limitar a produção de uma proteína que tem o potencial de transformar uma célula saudável em uma célula cancerosa. Um estudo da Universidade de Harvard com mais de 200.000 mulheres publicado este mês descobriu que aquelas que tomavam uma dose de 75 mg por dia tinham 23% menos chances de desenvolver câncer de ovário.


2. Pílula para diabetes


A metformina, também é um dos medicamentos mais comumente administrados a diabéticos tipo 2, uma condição caracterizada por um açúcar no sangue perigosamente alto. Funciona impedindo a produção de glicose no fígado, melhorando a sensibilidade das células musculares à insulina hormonal e reduzindo a quantidade de açúcar absorvida pelos intestinos. No câncer, ele suprime o processo dentro das células envolvidas na geração de glicose, que o câncer precisa crescer. A droga inibe uma enzima envolvida neste processo sem afetar as células normais.


Os resultados publicados na revista Cancer Causes And Control no mês passado mostraram que os pacientes em tratamento tiveram uma taxa reduzida de câncer de fígado quando comparados aos em um comprimido antidiabetes alternativo, de acordo com o estudo da Universidade Vanderbilt, que foi baseado em dados de quase 85.000 pacientes.


3. Droga para parasitas


Mebendazol é um tratamento para vermes. Acredita-se que funcione bloqueando que os parasitas absorvam os açúcares necessários para viver. A droga inibe partes da célula envolvidas na absorção de glicose. Acredita-se que inibe o crescimento de células cancerígenas, quebrando uma proteína envolvida em permitir que as células tumorais obtenham energia. O tratamento parou o crescimento de tumores cerebrais em camundongos implantados com células cancerígenas, de acordo com uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins nos EUA. Os ensaios estão em andamento para testar seu potencial em crianças e adultos com glioblastoma, um câncer cerebral agressivo.


4. Pílula de colesterol


As estatinas funcionam bloqueando a enzima HMG CoA Redutase, que o fígado usa para fazer colesterol - um tipo de gordura que é útil em pequenas quantidades na circulação, pois ajuda a formar paredes celulares, mas em quantidades maiores pode contribuir para doenças cardíacas.

Acredita-se que as drogas detê-lo o crescimento do tumor de maneira semelhante: a HMG-CoA redutase está envolvida na produção de colesterol que as células cancerígenas usam para energia. Uma análise do Centro Nacional de Câncer em Pequim mostrou que estatinas como atorvastatina e lovastatina podem reduzir o risco de morrer de câncer de mama em 38%. Os achados foram baseados em estudos envolvendo 200.000 mulheres diagnosticadas com a doença e apresentados em junho de 2017 na Sociedade Americana de Oncologia Clínica nos EUA.


5. Antibiótico


A doxiciclina é um antibiótico prescrito para condições que variam de pneumonia a acne. Suprime a capacidade das bactérias de fazer as proteínas necessárias para a sobrevivência. Também suprime a capacidade das células-tronco cancerígenas de produzir novas mitocôndrias, as partes da célula que geram energia, permitindo que o câncer se alimente e cresça. Uma dose diária baixa do medicamento pode matar células agressivas que fazem com que os tumores retornem em algumas pessoas com câncer de mama. Isso é de acordo com um estudo da Universidade de Salford publicado este mês.


Ter conhecimento é enriquecedor, e ele está disponível para todos, independente da conta bancária.







0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Komentarai

Įvertinta 0 iš 5 žvaigždučių.
Kol kas nėra įvertinimų

Pridėti vertinimą
bottom of page