top of page

O poder do efeito placebo

Atualizado: 19 de fev.

Tratar-se com sua mente é possível, mas há mais no efeito placebo do que o pensamento positivo.


Uma imagem contendo invertebrados, coelenterato, coral Descrição gerada automaticamente

Sua mente pode ser uma poderosa ferramenta de cura quando lhe é dada a chance. A ideia de que seu cérebro pode convencer seu corpo de um tratamento falso é a coisa real o chamado efeito placebo e, assim, estimular a cura existe há milênios. Agora, a ciência descobriu que, nas circunstâncias certas, um placebo pode ser tão eficaz quanto os tratamentos tradicionais.


“O efeito placebo é mais do que um pensamento positivo acreditando que um tratamento ou procedimento funcionará. É sobre criar uma conexão mais forte entre o cérebro e o corpo e como eles trabalham juntos”, diz o professor Ted Kaptchuk, do Beth Israel Deaconess Medical Center, afiliado a Harvard, cuja pesquisa se concentra no efeito placebo.


Os placebos não reduzirão o colesterol ou reduzirão um tumor. Em vez disso, os placebos funcionam em sintomas modulados pelo cérebro, como a percepção de dor. “Placebos podem fazer você se sentir melhor, mas eles não vão curá-lo”, diz Kaptchuk. “Eles demonstraram ser mais eficazes para condições como controle da dor, insônia relacionada ao estresse e efeitos colaterais do tratamento do câncer, como fadiga e náusea.”


O efeito placebo significa fracasso ou sucesso?


Durante anos, um efeito placebo foi considerado um sinal de fracasso. Um placebo é usado em ensaios clínicos para testar a eficácia dos tratamentos e é mais frequentemente usado em estudos de medicamentos. Por exemplo, as pessoas de um grupo recebem o medicamento real, enquanto os outros recebem um medicamento inativo ou placebo. Os participantes do ensaio clínico não sabem se recebem a coisa real ou o placebo. Dessa forma, os pesquisadores podem medir se a droga funciona comparando como ambos os grupos reagem. Se ambos tiverem a mesma reação — melhora ou não a droga é considerada como não funcionando.


Mais recentemente, no entanto, os especialistas concluíram que reagir a um placebo não é prova de que um determinado tratamento não funciona, mas sim que outro mecanismo não farmacológico pode estar presente.


Como os placebos funcionam ainda não é bem compreendido, mas envolve uma reação neurobiológica complexa que inclui tudo, desde aumentos nos neurotransmissores de bem-estar, como endorfinas e dopamina, até maior atividade em certas regiões do cérebro ligadas a humores, reações emocionais e autoconsciência. Tudo isso pode ter benefício terapêutico. “O efeito placebo é uma maneira de o seu cérebro dizer ao corpo o que ele precisa para se sentir melhor”, diz Kaptchuk.


Mas os placebos não são tudo sobre liberar a força cerebral. Você também precisa do ritual de tratamento. “Quando você olha para esses estudos que comparam drogas com placebos, há todo o fator ambiental e ritual em trabalho”, diz Kaptchuk. “Você tem que ir a uma clínica em determinados horários e ser examinado por profissionais médicos de casacos brancos. Você recebe todos os tipos de pílulas exóticas e passa por procedimentos estranhos. Tudo isso pode ter um impacto profundo na forma como o corpo percebe os sintomas, porque você sente que está recebendo atenção e cuidado.”


Dê a si mesmo um placebo


Os placebos geralmente funcionam porque as pessoas não sabem que estão recebendo um. Mas o que acontece se você souber que está recebendo um placebo?


Um estudo liderado por Kaptchuk e publicado na Science Translational Medicine explorou isso testando como as pessoas reagiram aos medicamentos para dor de enxaqueca. Um grupo tomou um medicamento para enxaqueca rotulado com o nome do medicamento, outro tomou um placebo rotulado como “placebo” e um terceiro grupo não tomou nada. Os pesquisadores descobriram que o placebo foi 50% tão eficaz quanto a droga real para reduzir a dor após um ataque de enxaqueca.


Os pesquisadores especularam que uma força motriz além dessa reação era o simples ato de tomar uma pílula. “As pessoas associam o ritual de tomar remédios como um efeito de cura positivo”, diz Kaptchuk. “Mesmo que eles saibam que não é remédio, a ação em si pode estimular o cérebro a pensar que o corpo está sendo curado.”


Como você pode se dar um placebo além de tomar uma pílula falsa? Praticar métodos de autoajuda é uma maneira. “Envolver-se no ritual de vida saudável comer direito, se exercitar, yoga, tempo social de qualidade, meditar provavelmente fornece alguns dos principais ingredientes de um efeito placebo”, diz Kaptchuk.


Embora essas atividades sejam intervenções positivas por si só, o nível de atenção que você dá pode aumentar seus benefícios. “A atenção e o apoio emocional que você se dá muitas vezes não é algo que você pode medir facilmente, mas pode ajudá-lo a se sentir mais confortável no mundo, e isso pode percorrer um longo caminho quando se trata de cura.”


O ponto doce do placebo


Um estudo publicado on-line pela PLOS Biology pode ter identificado o que acontece no cérebro durante um efeito placebo. Os pesquisadores usaram ressonância magnética funcional para escanear o cérebro de pessoas com dor crônica por osteoartrite do joelho. Então todos receberam um placebo e fizeram outra varredura cerebral. Os pesquisadores notaram que aqueles que sentiram alívio da dor tinham maior atividade na região cerebral do giro frontal médio, que compõe cerca de um terço do lobo frontal.




0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
bottom of page